ILPI -  INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

 

 UMA DIFÍCIL ESCOLHA – INFORME-SE!

 

Nossas orientações são subsídios de um trabalho de pesquisa, para moradia digna de Idosos em Instituições de longa permanência, focalizando alguns pontos importantes e essenciais para qualidade de vida de Idosos abrigados, principalmente para aqueles com dependência – demências e incapacidade física.

 No Brasil o número de Idosos ultrapassará o de jovens e crianças e há uma necessidade emergencial de ações efetivas. As pessoas com mais de 50 anos serão 42% da população em meados do século; em 2025, seremos o 5º país em número de idosos e não estamos preparados para acolher os idosos com dignidade, respeito e ética.

Sugerimos estes itens que orientam familiares e cidadãos a observarem condições de moradia, dentro dos critérios estabelecidos pelos órgãos competentes. Com base nestes critérios, a comunidade poderá contribuir na melhoria das Instituições na vigilância da regularidade e legalidade dos Lares para Idosos, em uma ação construtiva de parceria, juntamente com a Sociedade Civil Organizada, Família, Comunidade e Órgãos Públicos, fortalecendo toda a rede de atendimento ao idoso.

 

ITENS 

1.    O familiar deve ter “Livre Acesso” a qualquer hora com transparência

2.    Refeitórios para refeições coletivas com familiares

3.    Banheiros com duchas e acessórios de segurança

4.    Área verde para passeios ao ar livre

5.    Quartos arejados com circulação adequada

6.    Pisos antiderrapantes

7.    Imóvel adequado à segurança e locomoção de idosos

8.    Ambiente sem odores e higienizado

9.    Iluminação adequada e equipamentos de segurança

10. Música ambiente, sala de TV e Jogos

11. Sala de atendimento emergencial e primeiros socorros

12. Lazer e atividades terapêuticas para os Idosos

13. Verificar o quadro de Profissionais, técnicos e auxiliares de enfermagem, médicos, enfermeiros, nutricionista, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. 

14. Verificar a qualificação dos Profissionais e se estão devidamente legalizados junto a seus Conselhos.

15. Verificar se a Instituição está devidamente legalizada junto aos órgãos competentes (alvará de funcionamento e outras licenças exigidas pelos órgãos de fiscalização e funcionamento)

16. Verificar o numero de empregados, pessoal de limpeza e higiene, cozinheira,  cuidadores com qualificação para o cuidado com Idosos com dependência

17. Observar vestimenta e higiene dos empregados de serviços gerais

18. Observar a qualificação do Profisssional para o cuidado com idosos na área de Gerontologia e Geriatria

19. Verificar o programa de Nutrição da Instituição com acompanhamento do profissional Nutricionista

20. Verificar as instalações e higiene da cozinha e refeitório. 

21.  Verificar a capacidade de ocupação do imóvel – número de idosos abrigados 

22. Verificar a competência do Corpo Diretivo da Instituição  para o acolhimento de Idosos.

23. Verificar os Programas de promoção de atividades que os façam sentir integrados socialmente

24. Verificar os Programas de Promoção a Saúde (vacinas, alimentação...) e Prevenção a doenças. 

 

A Família no processo de escolha para moradia do idoso deve analisar e sentir a realidade concreta da residência, no cotidiano, no dia-a-dia dos serviços prestados, nas instalações, nas relações, em todos os aspectos de vida no local. A família deve realizar um calendário de visitas à Instituição onde seu familiar se encontra.

 INFORMAÇÃO – primeiro  passo para se obter a verdadeira Cidadania

 COMO DEVEM FUNCIONAR AS INSTITUIÇÕES 

MORADIA DIGNA – significa habitar em local que disponha de instalações sanitárias adequadas, condições de habitabilidade e acesso aos equipamentos sociais básicos. A moradia deve preservar as pessoas de qualquer tipo de violência e oferecer-lhes oportunidade para o convívio social.

 Do puro assistencialismo inerente ao asilo, a Institucionalização em ILPI constitui uma forma de prestação de serviço ao idoso, com remuneração ou não, mediante contrato com o interessado ou seus responsáveis legais no qual são detalhadas as obrigações das partes conveniadas, cabendo à entidade atender exigências mínimas previstas no Estatuto do Idoso.

Mesmo que a Instituição “não tenha finalidade lucrativa” poderá ser exigida do idoso que tenha renda, contribuição para a manutenção da Entidade com “parte” de seus ganhos.

 A ILPI Pública é obrigada a dar publicidade de todos os recursos recebidos inclusive donativos privados.

 

Apoio e alternativas de moradia e acolhimento

Incentivo do Governo ou Município para construção e manutenção de Casas Lares - residências coletivas para acolhimento de  idosos menos dependentes, em que o idosos co-participa da Gestão e pode viver em ambiente mais saudável.

 Substituir parte do sistema de Instituição Permanente para o Sistema de Centros-dia, onde as famílias que não possam cuidar do idoso durante o dia possam deixa-lo, retornando ao lar à noite e nos finais de semana.

 De nada resolverá interditar Entidades se não houver mudanças dos parâmetros sociais e das políticas públicas em relação ao abrigamento da pessoa idosa.

 Destinação de maiores recursos públicos para contemplar a garantia de moradia digna para o idoso, em qualquer situação.

 Rigoroso Controle Social dos Recursos Públicos e Privados destinados à moradia de idosos, pelo Ministério Público e da ação integrada dos órgãos do Poder Executivo, das Organizações da Sociedade Civil, do Cidadão e Conselhos.

 Um novo cenário se apresenta no País  – cada vez mais as famílias brasileiras vão precisar de ILPIS. “É um erro achar que todos os velhos querem morar com a família e que  essa é sempre a melhor opção.” Guita Debert, antropóloga. “A maior crise internacional do próximo século” – o Envelhecimento.

 

É crime expor ao perigo a integridade e a saúde, física ou psíquica, do idoso, submetendo-o a condições desumanas ou degradantes ou privando-o de alimentos e cuidados indispensáveis, ou sujeitando-o a trabalho excessivo ou inadequado.

 Autores consultados: Maria José D`Elboux Diogo, Guita Debert, Ana Bela Ferreira, Ricardo Antunes, Ana Alexandre Fernandes e Marilia Louvison.

Orgãos Informativos: Ministério Público, Universidades e Centros de Pesquisa. 

APaPAz

 

 

Brasil Parkinson

 

Banco do Brasil
AG
3158-5
C/C 21117-6 - ABaPAz
Valor Mínimo R$20,00

 
 

Associação Bahiana de Parkinson e Alzheimer - ABaPaz
Rua Profº Francisco da Conceição Menezes, nº 3 – Rio Vermelho
Tel: 71 3347-0143  Cel: 71 8661-8814