DIA MUNDIAL DE ALZHEIMER – 21 DE SETEMBRO

 

OS MALES DO SÉCULO XXI

 

SOLIDÃO - DEPRESSÃO – ALZHEIMER - Um caminho sem volta

 

A Temática discutida neste simpósio será, doenças da contemporaneidade, (Depressão e Alzheimer), com foco na Solidão para a qual não existe medicamentos.

Com a tecnologia – objetos que a ciência oferece ao sujeito, apesar da facilidade de comunicação, a internet, estes podem diminuir a solidão social, não a emocional - Esta é incurável, pode-se torná-la mais suportável fazendo novos laços sociais.

Perdeu-se o contato pessoal, “vital para a vida” principalmente do Idoso. O idoso não tem vida urbana, se recolhe e se confina nos lares, o que desenvolve doenças psico sociais, levando a tristeza, solidão, depressão e demência. A vida cotidiana nos mantêm ocupados demais com os afazeres que arranjamos – estamos perdendo as pessoas.

Atualmente a doença de Alzheimer atinge 35 milhões de pessoas no planeta. Descobertas recentes revelam que transformações anatômicas começam a aparecer no cérebro de pessoas com a demência muito antes do que cientistas pensavam até pouco tempo: as alterações surgem de 10 a 15 anos antes dos sintomas.

Recentemente a revista The Lancet Neurology cita os fatores, biológicos que aumentam o risco de desenvolvimento de Alzheimer – sedentarismo, obesidade, tabagismo, hipertensão, diabetes, depressão e baixa escolaridade.

Outros fatores estressores psicológicos e sociais, também observados em nossas pesquisas –solidão, isolamento, exclusão, traumas..., estão relacionados com o estilo de vida, algo perfeitamente possível de mudar, portanto seguindo o caminho da prevenção. 

Por isso cada vez mais cientistas se concentram em pesquisas que possam contribuir para o diagnostico precoce e prevenção. As pesquisas estão mudando de direção e se concentrando em conter a doença não só com drogas, mas com medidas de Estilo de Vida.

Nosso sistema emocional não está suportando a vida que temos hoje! O sistema cognitivo até consegue dar conta das tantas informações do mundo de hoje, mas não damos conta da carga emocional que as notícias trazem.

No Brasil o número de idosos ultrapassará o de jovens e crianças e há uma necessidade emergencial de estudo e ações efetivas. As pessoas com mais de 50 anos serão 42% da população em meados do século; em 2025 seremos o 5º país em número de idosos. Estamos preparados para acolher os Idosos?

 
“Toda teoria sobre a memória implica uma presuposição sobre  o ser do passado.”   Sartre